Eu queria tanto me deitar ao lado dela, envolvê-la em meus braços e adormecer. Não queria transar, como nos filmes. Nem mesmo fazer amor. Só queria dormir com ela, no sentido mais inocente da palavra.
Quem é você,  Alasca?    (via desancorei)



(…) eu de costas, ela de lado com um braço em volta de mim, a
cabeça em meu ombro, me olhando. Sem fazer nada — só deitados ali, juntos, sob o céu, a noite tão clara a ponto de ofuscar as estrelas.
E talvez eu sentisse a respiração dela junto ao meu pescoço, e talvez a gente pudesse ficar ali até o dia seguinte, e então as pessoas caminhariam por nós no parque, nos veriam e pensariam que éramos apenas turistas também, e nós poderíamos desaparecer no meio delas.
Cidades de Papel, John Green.


chgerlee:

The Dull Life Of a Teenager on We Heart It.







Sei que dá vontade de abrir um zíper nas costas e sair do corpo porque dentro da gente, nesse momento, não é um bom lugar para se estar.
Caio Fernando Abreu. (via opostos)

Se ame ao ponto de não querer o que te faz mal.
Felipe F.     (via garoto-smiler)



envolvendo-se